14 de setembro de 2009

Leitura para que te quero...

Domingo último fui à Bienal com minha família, como sempre faço. Apesar de alguns considerarem um programa de “índio”, pois anda, anda e anda no meio de uma tonelada de livros, apenas, eu, me sinto como pinto no lixo! Além de aproveitar para saber dos lançamentos e novidades literárias, a feira é uma ótima oportunidade para se conhecer novas livrarias, dar uma renovada na lista de aperfeiçoamento profissional em termos de leitura e, não deixa de ser um passeio de entretenimento, cultura e lazer para se fazer junto à família e amigos.

Mas, para tal, como todo grande evento, tem que ter paciência. Depois de enfrentar a fila do estacionamento e disputar uma vaguinha, ainda tem a fila para comprar os ingressos e, mais ou menos a fila indiana em que andamos lá dentro nos pavilhões. Se por acaso há um interesse por algum livro e a livraria onde o tal está localizado é uma das consideradas “famosas”, prepare-se: mais fila, para chegar ao estande dele, consultar o preço e pagar. Uma verdadeira odisseia! Mas levando em consideração que este sofrimento só acontece de dois em dois anos, até que vale a pena enfrentar a confusão, rs.

O dia que eu fui foi privilegiado. Lá estavam autografando Ziraldo, Thalita Rebouças e Maurício de Souza, que, diga-se de passagem, foi meu cartunista predileto da infância à adolescência. Não perdia uma edição de lançamento de seus gibis nas bancas. Infelizmente, a fila estava imensa e o preço auto demais para os meus padrões. Saí sem autógrafo, mas com uma mísera foto no cel. Apenas para constar, rsrs. Outras atrações interessantes agitaram a feira. Uma exposição, uma floresta de livros e um estande de sebo.

Só acho que o que deveria ser um evento para estimular a leitura em crianças e jovens e ser um incentivo a cultura literária no país, acaba se tornando, como sempre um evento empreendedor de seus patrocinadores e realizadores tornando o custo do mesmo exorbitante. Pelo menos, para valorizar em alguma coisa o pobre professor que já ganha mal pacas, não paga e estudante de rede pública/estadual paga meia. Mas os demais que não tem isenção são obrigados a desembolsar a bagatela de R$ 12. Já houve mais promoções de livros infantis e universitários nas feiras. Hoje em dia, se reparar bem, eles estão custando em média o preço normal das livrarias fora do evento. A minha sorte é que professor tem desconto, e mesmo assim, não é lá estas coisas mais. Já foi de até 50, 30% Hoje, a maioria só dá 10%. E, para completar o tour de um evento destes, se gasta, no mínimo umas 4 horas lá dentro, andando, tirando as horas que se perde comprando. Como sempre, bate a fominha, a sede e tal e o preço das bebidas e comidas é de doer o coração. Se for com uma família de no mínimo 4 pessoas, não gasta menos do que 50,00 em um lanchinho bem basiquinho (aquele que apenas engana o estômago).
Bom, tirando isto, todo ano eu vou. Mas confesso que se o preço continuar a subir e o conteúdo do evento continuar a cair pensarei duas vezes se daqui há 2 anos estarei lá novamente. Uma pena! Pois é uma ótima oportunidade não só para amantes de leitura e livros mas para quem não tem muito intimidade com a arte e gostaria de conhecer alguns grandes autores e suas obras de perto. Participar das palestras e ciclo de leituras. A saída seria realizar este evento com mais frequência para que de repente não ficasse tão disputado e nem super lotado! E que mais crianças da rede pública de ensino pudessem comparecer, pois o nº de alunos é limitado por escola. Não proporcionando assim a chance de pessoas carentes conhecer uma parte a mais do que elas têm direito.

Bom, à noite, cansada, com os pés doendo, mas com algumas comprinhas na mão, apesar dos pesares, fiquei feliz com o passeio. De qualquer modo, sempre compensa, né?

3 comentários:

Dama de Cinzas disse...

Ler é algo muito bom! Eu já li mais livros, desses de papel mesmo, desses que a gente entra na livraria e analisa a capa, e tudo mais... Com a chegada da internet eu tenho me dividido muito entre o que leio aqui e os livros, isso me deixa um sensação de que estou perdendo tudo de bom que está sendo lançado em livros...

Sinto que a vida tem cada vez mais apelos externos e falta tempo pra tudo... rs... Tenho que dar um jeito nisso... rs


Beijocas

Rosi disse...

Oi Fê
Confesso que estou com uma inveja dos cariocas...adora ir à bienal. Este com certeza é um programa que todos deveriam ir ou ao menos conhecer.
Ah, sou uma devoradora de livros, compulsiva até.
Um forte abraço

Vanessa disse...

Nossa Fê!! Que passeio maravilhoso! Esse ano eu não fui a Bienal. :(


bjsss