21 de agosto de 2015

A verdade por trás dos casais felizes


Destino. Talvez seja essa a primeira palavra que vem à mente daqueles que nos olham andando de mãos dadas por essa cidade, risada estampada no rosto, o amor em neon "vermelho-loucura" piscando para quem quiser ver.

Eles não sabem que diariamente nos comprometemos a cuidar do que temos, a facilitar a vida um do outro, a vigiar a impaciência nas horas difíceis, a não jogar a toalha quando falamos idiomas diferentes porém na mesma língua. Eles não têm ideia dos centímetros que cedemos para que o afeto ganhe espaço e que se sinta em casa. Fechamos as trincheiras para que a paz vença as batalhas diárias do ego e do cansaço. E declaramos ser responsáveis pelo maior sentimento do mundo que, num encontro sem querer, fez de duas paralelas linhas entrelaçadas.

Eles não sabem que, ao lado da lista de supermercado, colocamos a lista do que não pode faltar em nossas vidas em comum: beijos demorados nas chegadas e nas saídas, carinhos em doses constantes e respeito por escolhas e humores.

Eles não sabem o quanto nós caminhamos separados para poder, enfim, estarmos juntos. Não sabem que nossas vidas já foram paralelas e condenadas a não se tocarem nunca, caso a vida obedecesse cegamente as regras da matemática. Amamos a outras pessoas, juramos que seria para sempre com elas, e que não amaríamos a mais ninguém. Sofremos. Choramos. Renascemos.

Destino? Não sei... prefiro acreditar que foram os erros e acertos que nos juntaram.



Casal Sem Vergonha

20 de agosto de 2015

Pilares básicos que são mais importantes que o amor numa relação...



Sempre achei no mínimo estranho ter que assinar um contrato em que você declara amor à alguém. E usar um anel que torne esse amor visível e referendado aos olhos dos outros.. Usar uma roupa específica, com uma cor pré-concebida e que representa uma pureza hipócrita, para que o mundo saiba que você resolveu juntar as escovas de dentes. Se é um sonho ou uma realização pessoal, ótimo. Como no meu caso onde sempre foi o sonho do meu marido casar "dentro dos conformes com tudo o que tem direito". Comprei prontamente a ideia dele, mas ela nunca me foi necessária. Curti o momento, as fases até chegar o grande dia, mas acho que uma relação, a durabilidade dela e a qualidade de uma vida à dois vai muito além de um casamento formal ou se juntar. Cada um decide como celebrar o amor, mas há muito mais coisas mais importantes que alianças.


1. Respeito Mútuo:

Há muitas coisas sem as quais um relacionamento não sobrevive por muito tempo. Curiosamente, acho que o amor está longe de ser a principal delas. Não deixar que a intimidade extrapole o limite do respeito é um dos maiores desafios de uma relação a dois.  Respeitar o outro enquanto ser humano é, sem dúvidas, um grande primeiro passo para construir uma vida ao seu lado. 


2. Simplicidade:

Muitos não acreditam, mas o amor não é nada pomposo. Enquanto nos ocupamos em preparar festas, alianças, vestidos brancos, presentes caros e jantares sofisticados à luz de velas há uma vida belíssima dos esperando lá fora. Relacionamentos saudáveis têm nos momentos mais simples os mais inesquecíveis. Casais bem resolvidos não precisam de cruzeiros, reservas em restaurantes e grandes comemorações. Embora isso tudo seja bom, não pode ser imprescindível! Consegue-se celebrar o amor nos mares do Caribe ou no bar da esquina. São felizes em Paris ou na cama assistindo a Netflix. O amor é simples como a vida.


3. Companheirismo: 

Conheço muitos casais que usam alianças imensas, colocam foto um do outro na capa do facebook e não se cuidam reciprocamente. O companheirismo não precisa de demonstrações ou atestados.  O cuidado mútuo está presente nas pequenas coisas como em verificar se ele precisa de alguma ajuda com as tarefas domésticas ou oferecer ajuda se ela fica sem grana no final do mês.


4. Bom-humor:

Acredito piamente que uma pitada de bom-humor é capaz de salvar vidas. Dê um bom dia bem humorado ao motorista e ele lhe será solícito. Seja cordial com uma atendente e ela lhe ajudará sem nenhum interesse - pura e simplesmente porque o bom humor é um facilitador. Nas relações a dois ele é igualmente indispensável. Por mais que um tenha mau-humor matinal ou por ter ficado horas no trânsito ou seu time de futebol tenha perdido, é preciso encarar os estresses da vida conjugal com leveza. Um sorriso não custa nada e pode mudar o dia de quem você amam.


5. Sinceridade:

Pequenas mentiras são capazes de ceifar até mesmo os grandes amores. Principalmente porque na primeira briga, todas elas vêm à tona juntas. Em relações de longa data são facilmente decifráveis porque não dá para mentir para quem te conhece bem. A hipocrisia é o câncer das relações modernas. É preciso dizer que ele sente desejo por outras mulheres e que talvez ela precise de um regime. A sinceridade nas coisas simples gera uma confiança tão incondicional que nos faz capazes de acreditar até nas verdade menos críveis.


6. Jogo de Cintura:

Quem te disse que a vida a dois é fácil te contou uma mentira deslavada. Não é. É preciso aceitar diferenças, burlar as prendas do tal destino, desviar-se das tentações e, de quebra, cuidar de cada detalhe da relação. Não dá pra levar tudo à ferro e fogo. Relacionar-se a dois, aliás, relacionar-se com quem for, é, basicamente, não deixar a peteca cair.


7. Liberdade:

Foi-se o tempo em que relações amorosas eram prisões sem grade. A confiança é um pré-requisito para que se tenha um amor tranquilo com gosto de fruta madura. E isso incluir deixar ele sair para beber com os amigos ou deixá-la cuidar da própria vida como bem entender, mesmo que isso signifique gastar todo o dinheiro "extra" em bolsas. Liberdade transcende em deixar o outro sair sozinho e se sentir com autoridade para tomar decisões. Significa também que nada te dará o direito de influenciar nas decisões pessoais do seu parceiros, sejam elas quais forem.


8. Compreensão:

Pequenas irritações cotidianas deve ser as maiores causadoras de divórcios ao redor do mundo (por mais que muita gente diga que foi por causa de ciúmes, incompatibilidade de gênios ou de objetivos de vida). Nunca subestime o poder de uma toalha molhada em cima da cama, da tampa do vaso levantada, de louça na pia ou de roupas sujas fora do cesto. Isso irrita, cansa e desgasta a relação. No entanto, ninguém está a salvo de pequenos defeitos, e só a boa e velha compreensão é um bom antídoto para isso. Compreenda as meias dele jogadas pelo chão do quarto e ele compreenderá seus cabelos no ralo do banheiro. É assim, e só assim, que a vida a dois segue. 


9. Sonhos em Comum:

Não dá pra caminhar de mãos dadas em estradas opostas. É preciso ser franco, e, de preferência, a tempo sobre os planos de cada um. Você quer ter filhos e ele não. Ele quer ter um animalzinho e ela não. E assim sobre se casam, viajam, compram um carro, onde vão morar e por aí vai. Se você deseja vender artesanato na praia, provavelmente não conseguirá dividir uma vida com quem deseja administrar uma grande empresa. O amor tem questões práticas e nada românticas como os objetivos de vida incomuns, as finanças que não equivalem, e que eventualmente precisam ser consideradas.


10. Independência:

Por fim e não menos importante, não mesmo!, a independência é mais imprescindível numa relação do que qualquer contrato assinado. Ter seus próprios amigos, seus próprios projetos, seu próprio tempo só pra você. Eventualmente planos diferentes no final de semana ou atividades que não façam juntos além de ajudar a dar saudade do companheiro(a), mesmo que ele(a) durma com você há anos, ainda faz com que você não esqueça de que antes de compor uma relação você é um ser humano ímpar. 




"Parece que as pessoas desistem fácil demais, 
querem relacionamentos perfeitos, 
mas se esquecem de construí-los e mantê-los dia após dia!"





Qual a sua responsabilidade na desordem da qual você se queixa?





Apenas refletindo...
Às vezes a gente quer pôr a culpa em Deus e no mundo pelo que nos acontece, mas nos esquecemos de olhar pra dentro e ver que o que fazemos ou deixamos de fazer, mais dia menos dia, nos coloca na posição em que nos encontramos em alguns momentos na vida.
Ás vezes, as consequências que se sofre podem ser fruto das escolhas feitas, das atitudes tomadas, reflexo do que plantamos e de quem somos. Não dá pra botar toda a culpa pelo errado conosco em terceiros, no acaso, no destino, no dia que amanheceu chovendo e por aí vai. Temos que nos responsabilizar pela nossa parcela de culpa. Do que fazemos e do que não fazemos. De quem somos e de quem deixamos de ser. O nosso destino pode ter sido traçado na maternidade, como já dizia Cazuza. Mas a gente sempre pode mudar a direção.

19 de agosto de 2015

Sobre a beleza de ser imperfeita...


Esse texto não foi escrito por mim, mas foi feito pra mim!




A moça do salão me olha com olhar de pena. "Você tem uma falha na sobrancelha", ela diz. Eu concordo, tenho mesmo! Falha de nascença ou cicatriz. Nem sei o que é, nem de onde veio. Desde que me lembro sempre tive. Ela diz para eu não me preocupar. Ela vai dar um jeito nisso. Com algumas pinceladas de um lápis de olho, a falha/cicatriz some. "Agora está perfeito", ela fala, orgulhosa do seu trabalho. Sei que ela só estava tentando ser gentil, ma eu preferia que ela não tivesse feito aquilo. Eu não quero e nem posso ser perfeita.

Quando eu tinha uns dezessete anos fiz uma cirurgia que me deixou com uma cicatriz para o resto da vida. Verdade seja dita ela só é visível quando estou usando biquíni, mas mesmo assim eu morria de vergonha da cicatriz. Ficava procurando os modelos de biquínis que disfarçassem melhor e o grande pavor da minha vira era pensar o que um menino iria dizer quando ele finalmente visse a cicatriz. Com o tempo eu entendi que pior do que ter essa marca seria nunca ter feito a cirurgia. Hoje, eu e a cicatriz já convivemos bem. São quase dez anos juntas. Muito mais do que qualquer relacionamento que eu já tive. Mas mesmo assim, não é um processo simples olhar no espelho e aceitar todas as imperfeições que nós temos.

Tento gostar de todas as coisas que as revistas de beleza e o mundo da moda tentam me convencer que existe de errado em mim. Gosto bastante dos meus dentes separados que uma médica queria cobrar 700 reais para deixá-los iguais aos de todo mundo.

Mas não é fácil abraçar e amar tudo o que temos de diferente quando tanta gente diz que estaríamos melhor sem isso. Ainda sofro um pouco para aceitar meu sorriso largo demais que deixava a gengiva a mostra. Desde que um amigo me batizou de "sorriso perpétuo"tenho gostado menos do meu sorriso "gengivudo". Tento pensar que é um símbolo de alegria e felicidade plena. Quando vejo em uma foto aquela gengiva bem a mostra, fico presa em um misto de vergonha e orgulho, porque sei que naquele momento eu estava, simplesmente, feliz demais para me importar com as regras do sorriso perfeito.

Tenho uma pequena lista de imperfeições espalhadas pelo meu corpo. Meu cabelo é um capítulo a parte. Quando eu era adolescente, deixei me convencerem de que o meu cabelo ia ser uma entrave à minha felicidade. Eu não ia sair bem nas fotos, nem arrumar um namorado e nem ficar mais parecida com as atrizes que eu via na televisão. Afoguei aqueles próprios cachos em tanta química, que hoje eles simplesmente não voltam mais. A química estragou tanto os meus cabelos que hoje eu sou escrava dela.

Minha mãe já tinha me alertado para um fenômeno que ela chamou de "meninas feitas em série". São aquelas meninas todas iguais, com o mesmo cabelo, o mesmo rosto, as mesmas roupas e que frequentam os mesmos lugares e falam das mesmas coisas. Mas quando eu era adolescente tudo o que eu mais queria era ser uma menina feita em série. Não consegui. E o que antes era uma frustração, hoje é um alívio. Gosto de olhar uma foto cheia de gente e logo de cara me encontrar na foto, sem ficar meio perdida se eu sou a menina da direita ou da esquerda. Parei de buscar a perfeição, pois já aprendi que isso não é possível. Não tem como ser maravilhosa às sete horas da manhã, logo depois de acordar e nem às seis da tarde no fim do expediente puxado. Sei que os padrões de beleza não gostam do meu nariz, nem com o meu quadril e ficam horrorizados com a minha pele "molinha" de quem claramente nunca frequentou uma academia. Mas eu também fico chocada com o tipo de corpo, de rosto e de cabelo que o mundo implacável da beleza queria que eu tivesse.

Outro dia desses tirei uma foto linda. Tenho certeza que desse momento até o resto da minha vida, essa é a foto mais linda que eu vou ter de mim mesma. Só tem um problema. Aquela moça da foto não sou eu. Ela se parece comigo, existem grandes semelhanças, como uma prima mais bem cuidada. Mas ela é uma versão minha depois de horas no salão, com toneladas de maquiagem, escova, babyliss e grampos meticulosamente bem posicionados. Gosto de olhar essa foto de vez em quando e ver como eu poderia ser se cinco horas no salão fossem uma rotina na minha vida. Felizmente não é o caso. À medida que vou ficando mais velha tem sido cada vez mais fácil aceitar os meus defeitos. E, coincidência ou não, tenho sido cada vez mais feliz.

Casal Sem Vergonha

 

18 de agosto de 2015

Viver também é uma lição que se aprende na escola!


Mais um caso na mídia de alunos e familiares que agridem professores. Os motivos são os mesmos: não pode chamar atenção, dar nota baixa ou reprovar. E depois, indignados, esses mesmos pais reclamavam quando a aprovação era automática no sistema de ensino público! É quase a mesma coisa coagir um professor a passar a mão na cabeça do aluno ou fechar os olhos para tudo de errado que ele venha a fazer. Mais uma vez comprovo, não só educação escolar falta neste país. Falta pai e mãe que sejam pais e mães com valores éticos e morais a passarem aos seus filhos. Sou do tempo que professor era autoridade máxima dentro da sala de aula, dentro da escola, dentro de uma comunidade ou bairro, da sociedade. 

Sou do tempo em que se tinha um respeito ímpar não só pela figura como pelo importante papel que estes representavam. Sou do tempo em que, se chamados na escola por reclamação de comportamento ou de notas, os pais não só apoiavam o professor como "passavam o sabão" novamente em casa nos filhos. Sou do tempo que no final do ano, independente de aprovação, os pais iam cumprimentar os professores pelo excelente trabalho exercido. Sou de um tempo que os alunos não levantavam nem a voz, nem os olhos que dirá uma mão para um professor! Enfim, constato que sou de um tempo não muito longe, que não existe e nem vai voltar mais. Hoje em dia além da falta de valorização financeira e social, cada vez mais professores se tornam educadores, pelo simples fato de que além de ensinar matemática, português, história, ciências e geografia, eles têm que ensinar os alunos os princípios básicos de educação que deveriam vir de casa. Literalmente a maioria prepara os alunos para a vida dentro e fora da escola. À contragosto, mas fazer o que?! Sobra pra eles a árdua tarefa de educar, ensinar, criar. 

Mas ao mesmo tempo, a eles é negado qualquer tipo de autoridade e repreensão, principalmente de caráter e conduta. Aí, os pais que foram obrigados a ser pais (não vou entrar no mérito que na hora de fazer sexo ninguém pensou na responsabilidade de criar um filho) e que jogaram no mundo uma criança para ficar a ermo, com família, atenção, amor e cuidados fake, se sentem no direito de nesta hora partirem até para a agressão física porque não admitem que os professores "consertem" seus filhos negligenciados. Francamente! Sou professora formada mas nunca exerci a profissão. E a cada dia que passa percebo que tomei a decisão certa. Jamais saberia lidar com essa nova geração do se achar maioral, acima do bem e do mal, com crianças cada vez mais carentes vindas de um núcleo familiar defasado sendo jogadas na escola para lá, ser feito o milagre de serem alguém, como se os pais, a família, a criação, o meio em que vivem, a realidade que convivem e todo o qualquer tipo de influência externa pudesse ser bloqueada e banida. E com isso, eximem-se da culpa e passa a depositá-la justamente em quem mais faz para poder ajudar um ser a ser alguém, o professor. 

Me indigno por minha mãe é professora e a vida inteira vi como ela sempre lutou por cada aluno, pelo direito de um por um de ter sempre o melhor, independente de qualquer coisa. Muitas vezes deixando até ela mesma de lado. Apesar de realizada na profissão por exercer com amor aquilo que sempre quis, foi uma tarefa nada fácil durante anos. E nem sempre foi valorizada por isso. Me indigno porque devo muito aos meus professores por estar onde estou, não só pela parte educacional, mas pela parte emocional e intelectual que sempre fizeram questão de trabalhar em mim e em meus colegas, enfatizando para acreditarmos em nós, darmos o nosso melhor, a sermos cidadãos ativos e não passivos para absorver informação, responsáveis por nossos atos, não eximindo-nos de nossas obrigações como indivíduos dentro de uma sociedade. Devo a escola por ter sido durante muitos anos mais que um lugar de conhecimento escolar e sim uma segunda casa, onde além de fazer amizade exercitei meu senso de civilidade. Onde as famílias eram participativas das atividades e interagíamos todos para um bem maior. E hoje, inegavelmente trago excelentes memórias. 

E sinto um pesar, por esses jovens de hoje carentes ou não socialmente, mas de certa forma todos igualados num grau de alienação de responsabilidade e comprometimento, por possuírem menos do mínimo necessário de discernimento de certo e errado, e quando o tem é sempre o que convém à eles. Lamento principalmente por eles que vão entrar na escola sem saber nada e sair mais "analfaburros" do que nunca. Porque ninguém pode fazer por eles para aprender, evoluir, crescer e ganhar o mundo, se tornarem pessoas honradas, dignas e de bem, darem valor a dádiva que é ter conhecimento e passarem adiante a importância e essência do professor e da escola na vida de um indivíduo que sabe aproveitar o que tem. E que se a escola é um passatempo, então por favor deem lugar para aqueles que de fato querem estar ali e não tem oportunidades. Há de ter quem saiba valorizar e respeitar aqueles que dão seu sangue por amor à profissão, mas não vivem só de amor, se viram nos 30 para dar aula, atenção, incentivo, sem ganhar pra isso, sem material e ambiente escolar adequados e o mínimo que pedem em troca senão gratidão, consideração, senão nem um e nem outro então não faça nada por aqueles que de repente, foram os únicos a acreditarem no potencial de seus alunos. Apenas, sejam pessoas de bem!

Melhor do que amar é se sentir amada...





Tão bom se sentir amada. É a melhor sensação do mundo. Seja pela família, pelo companheiro(a), amigos, colegas de trabalho... Tão bom se sentir querida, se sentir cuidada. É um sentimento que vai além de gratidão.. É algo sagrado, e que vem lá de dentro. É se sentir essencial para o outro, para o mundo e para você. É ter certeza de que você é parte da felicidade de alguém. É conseguir enxergar no olhar que esse alguém até vive sem você, mas não quer. É se sentir responsável por um sorriso. É receber sem saber, de fato, o que foi que fez para merecer tanto. É um amor sem tamanho.

O mais engraçado disso tudo é que a pessoa não precisa dizer que te ama. Você simplesmente sabe. Ela consegue expressar na forma como sorri, como te olha, na forma como te agradece, quando te pede algo, na forma como te coloca na vida dela e até nas vezes nas quais te esquece. Você sabe que ela se importa, que ela te quer bem. É a forma com ela se interessa em saber da sua vida e em compartilhar a dela com você, nos mínimos detalhes, muitas vezes sem você se quer perguntar. Ela te lota de informação boa, ruim, e mesmo que você só ouça com atenção porque sabe que de alguma forma sua opinião é importante. É transformar tristeza e alegria num piscar de olhos, pensando e algo pra te animar ou dando aquele "sacode" pra você acordar na vida. É mudar o rumo da prosa para uma ainda mais gostosa. É demonstrar doçura, carinho e ternura, na fala, no abraço e no beijo, seja na boca, na testa ou na bochecha.

É sentir um conforto no coração. Não se sentir sozinha nunca. É saber que com aquele ombro você pode contar, que não importa a hora você sempre vai poder ligar. É duvidar da sua capacidade e ter aquela pessoa para sempre te fazer lembrar quem você realmente é. Porque, para ela, você é incrível, e com você a vida faz ainda mais sentido. É sentir o coração bater mais forte. É poder desprezar a tristeza e a desgraça, porque sofrer com tanto amor assim, não é preciso. E, mais do que tudo isso, é sentir-se em paz não só com você mas por tudo e todos que você tem na vida. E se sentir segura, se sentir livre, se sentir viva. Porque nada no mundo faz mais sentido e "a melhor coisa da vida amar e em troca amado ser".



17 de agosto de 2015

"Nada que vale a pena é fácil"...




"Isso serve para várias situações na vida. Quer emagrecer e ter um corpo lindo? Vai ter que suar, literalmente. Quer ser bem sucedido na carreira? Vai ter que estudar muito, abrir mão de sair com amigos, ter que se dedicar ao extremo e em tempo integral. Quer chegar onde poucos chegam? Vai ter que fazer o possível e o impossível para conseguir. Se fosse fácil todos estariam magros, felizes, ricos, com o trabalho dos sonhos, com o amor da sua vida, enfim... A vida é um pouco mais complicada que isso. As pessoas geralmente querem o topo, mas, não querem fazer o necessário para estarem lá. Outro dia, um amigo me disse que estava se sentindo péssimo com o corpo dele, que estava acima do peso, com a autoestima baixa por isso, mas, que sabia que não estava fazendo por onde para emagrecer. Que não estava fazendo dieta, que não estava fazendo os esportes que ele fazia, ou seja, que sabia que queria algo que, sem comprometimento, não se tem. ELE SABE. Só falta fazer. Podemos citar vários obstáculos que encontramos quando queremos atingir um objetivos, claro, eles existem! Mas, não tem milagre no mundo que vai resolver sua vida por você. Por mais fé que se tenha e entregue nas mãos de Deus, no mínimo, algum tipo de ação você vai ter que ter para sair de onde está para onde quer chegar. Você precisa enfrentar o que está no meio do caminho e ser o mais forte que pode. Não torne-se vítima das circunstâncias para não fazer o que é necessário para alcançar seus objetivos, digo isso em todas as áreas da sua vida. Quer encontrar alguém para a sua vida que seja nota 1000? É raro, logo, vai ter trabalho para encontrar. (E se encontrar não deixe escapar). Quer o emprego dos sonhos? Vai ter trabalho para conseguir. Quer uma transformação de corpo e saúde? Vai demorar e dar trabalho. Quer se entender de verdade por dentro? Vai para a terapia e isso também vai dar trabalho. Mas, gente! Vocês acham que as pessoas que têm coisas que vocês tanto almejam, ganharam de graça? Pode ser que sim algumas vezes. Mas vai ouvir as histórias da maioria que ralou, suou e se desdobrou para chegar onde estão? Existem sacrifícios enormes por trás. Nada que vale a pena é fácil. Tudo é movimento, tudo depende da sua vontade de verdade e da sua decisão de agir. Por mais que a sorte, o destino ou acaso dê um empurrãozinho. Se tem uma coisa que ninguém pode fazer por você é a sua parte". Dicas Nutri.


15 de agosto de 2015

Uma amizade verdadeira vale mais do que mil no Facebook


Eu conheci a minha melhor amiga aos 4 anos de idade. Ela tinha um nome diferentes, duas janelinhas que se abriam quando ela sorria e a loucura dela combinava um pouco com a minha, o que me fez gostar dela logo de cara. Tão pequenas, mal nos víamos sobre a greta do portão que dividia a nossa hora de brincar. Mas rapidamente aprendemos a conversar por detrás das barras que nos separavam e entre sussurros e gargalhadas combinávamos as nossas peripécias de todos os dias. Logo que ela se mudou minha mãe insistiu para que eu fosse convidá-la para ver um filme. Acho que como toda mãe, ela já tinha certeza absoluta de que nos tornaríamos inseparáveis.

A partir daí aconteceu o inevitável: a vida. Hoje, mais de 25 anos depois, temos pouco contato. Ela está casada, tem a vida dela e nos vemos com uma frequência que nem de perto se compara aos tempos de escola quando não tínhamos tantas obrigações. O fato é que amizades verdadeiras são eternas, e não importa quantos meses a gente passe sem se falar, todas às vezes sempre parece que foi ontem, que foi a hora do recreio, que é primavera. 

Porque ela entende meus dramas, meu passado, minhas cicatrizes. Ela reclama sem pudor quando comento o mesmo erro seguidamente e escancara a verdade na minha cara todas as vezes que o resto do mundo decide mascarar o enredo.  Ela sabe coisas sobre mim que talvez nem eu saiba muito bem e acredite, ela já se enfiou em muita enrascada apenas para que eu pudesse ser feliz por breves segundos num sorriso. Ela chorou comigo na primeira grande burrada da minha vida, e também estava lá no primeiro e em todos os outros grandes momentos que rechearam a minha história. Ela veste a camisa, ela encarna o personagem, ela sabe muito bem qual é o papel dela no filme da minha travessia.

Eu não trocaria a amizade dela por nada nesse mundo, mesmo que nossos encontros agora sejam apenas casuais. Gente que se entende com o olhar, que conversa sem nem precisar esboçar uma palavra, um ser humano que te ama apesar de todos os seus defeitos mais tenebrosos não se encontra em qualquer lugar.Porque nem um milhão de amigos no Facebook tira de mim o que eu tenho com ela: liberdade. Livre arbítrio de ser, estar, permanecer, não importa a TPM, a falta de humor ou o tamanho do problema. Intimidade que eu não dei e não dou pra qualquer pessoa. Lugar marcado nos meus dias que foi conquistado, não apenas solicitado por uma tela de computador.

Por mais que os caminhos da rotina te levem para outro universo, eu digo: não deixe que o fio da vida se estique tanto a ponto de se perder de vista o laço inicial. Nunca. Coloque na mala, na lembrança, na visita rápida no final de semana, no happy hour de quinta, ou no telefonema inesperado no meio da tarde. Boas amizades demandam esforço e tempo, grandes parcerias também. Não deixe que o namoro, o casamento, a solteirice, o excesso de afazeres diários te impeçam de curtir um tempo de qualidade com quem realmente se importa com você. Dedique abraços, abrigos, afagos àquelas poucas pessoas no mundo que não vão te julgar por ter terminado com a Sandrinha ou por ter largado a faculdade no último período para se dedicar à outras artes se é o que te faz feliz. Beba um vinho, tome um porre, vá ao cinema, aproveite toda e qualquer oportunidade de trocar duas palavras que seja com quem pode tirar o peso dos seus ombros com apenas um sorriso.

O veneno da vida é justamente o tempo gasto com quem não agrega em nada a nossa vivência. Aquele pedacinho de tempo que é oferecido a quem nos suga a energia vital, ao invés de subir o ponteiro da serotonina até o tanque transbordar. Fazer parte do dia a dia é fácil, difícil e estar presente quando o barco fica avariado e pede socorro no porto. Enquanto a sua enorme lista de amigos da rede social te questiona sobre o seu status de felicidade para alimentar o ego, o seu amigo de infância quer mesmo é soltar uns bons palavrões para te tirar da zona de conforto e te colocar de pé para encarar o mundo novamente. E convenhamos, existem momentos na vida que uma boa bofetada de verdade na cara, dada por alguém que mora dentro do seu peito, é tudo que a gente precisa sentir (e escutar). Tirar a poeira da palavra amizade mais do que uma conveniência deveria ser uma prioridade. Valorize quem é de verdade. Quem é de mentira te manda inbox, não aparece na porta da sua casa depois de um fora devolvendo o amor próprio e a vergonha na cara deixada no meio do caminho, por causa de alguém que, muitas vezes, te conhece apenas pela foto de perfil.




Casal Sem Vergonha

14 de agosto de 2015

Nunca é tarde ou cedo demais


"Nunca é tarde para ter um novo objetivo ou sonhar um novo sonho. Nunca é tarde para recomeços. Você sempre pode mudar sua história. Uma vida é muito pouco para nos ludibriarmos com uma falsa felicidade e satisfação pelo resto dela. Nunca é tarde para pegar uma velha história e escrever um novo final. Nunca é tarde para fazer a diferença. Nunca é tarde para perdoar. Nunca é tarde para conquistar. Nunca é tarde para amar. Nunca é tarde para corrigir erros. Nunca é tarde demais... antes tarde do que nunca!"



Coragem para mudanças...



Pense sempre: nenhuma transformação positiva surge em nossa vida sem que estejamos dispostos a pagar o preço da nossa libertação. Esse preço implicará em mudanças de comportamento, deixar o convívio de certas pessoas, parar de frequentar certos lugares, abdicar de hábitos que nos prejudicam, enfrentar nossos medos, esforços para superar nossas limitações, etc.
 
Toda mudança gera desconforto. Não acredite em melhoras sem movimento. 

Um ditado popular afirma : 
"Para grandes males, grandes remédios. 
Para grandes problemas, grandes transformações."



13 de agosto de 2015

Muita calma nessa hora - emagrecimento saudável e consciente


Só porque achei interessante. Não busco emagrecer apenas para ter um corpo legal, embora almeje, isso vira consequência. O que mais importa é saúde e qualidade de vida. Por isso, não adianta sair atropelando, fazer radicalismos. Assim como tudo na vida a mudança vem gradativa. Um passo de cada vez respeitando o tempo do corpo, da adaptação à nova alimentação e condição de vida. É um conjunto de fatores que vai fazer com as ações tenham sucesso! Nossa determinação conta muito, e ficamos empolgados quando vemos os resultados aparecerem, porém mais que nossa vontade, nosso organismo precisa reagir de acordo com ele próprio. Nada de dietas malucas em prol do imediatismo. É a longo prazo mesmo que as coisas vão acontecer. Por isso estou gostando da proposta e do programa de vocês Alessandro Aguiar e Fernanda Almeida pois justamente prega a reeducação alimentar e se auto gerenciar e se adequar à vida no dia a dia, no cotidiano. A mudança maior vem de dentro, mas se mostrará no exterior. Aprendemos a ter consciência do que nos faz bem ou mal (apesar de todo mundo saber disso rs) e passamos a ficar seletos. Focados no nosso objetivo sim, mas não neuróticos a ponto de banir tudo da vida. Aprendemos como e quando abrir mão aqui e fechar ali, termos controle de nós e principalmente pesar necessidade x vontade. Achei importante vir aqui ressaltar isso, porque em tempos de culto à beleza das formas mais malucas possíveis, vale tudo dizem por aí. Eu acho que não! Estou empolgada com as mudanças que ocorreram comigo dentro de pouco tempo, mas principalmente feliz com a forma consciente com que venho enfrentando todo o processo.


"Faça as pazes com o tempo. Você demorou quantos anos para chegar no peso que está? E por que quer perder tudo em 1 mês? Dê tempo ao tempo. Emagrecer é igual a construir um relacionamento, é igual se preparar para uma maratona, é igual engravidar e esperar 9 meses para ter o filho. É aos pouquinhos, é uma construção. A natureza é sábia e faz com que seu corpo responda vagarosamente aos estímulos que você envia a ele. isto é um mistério! Se quer emagrecer, guie-se pela constância e paciência. Não adianta querer apressar nada neste mundo. Tudo é tempo nessa vida, seja para ganhar massa muscular, para perder peso, para se curar. Tempo para entender melhor as coisas, para clarear os hábitos, tempo para se transformar. Precisamos entender que as coisas são construídas aos pouquinhos, entender que o tempo pode ser soma, subtração ou multiplicação de atitudes. O tempo é a própria caminhada e equação, e não os resultados. Se você passa a vida inteira, anos e anos, com hábitos que te engordam, por exemplo, como você pode querer perder tudo em poucos meses? Calma, equilíbrio, paz de espírito e sabedoria é o que desejo para vocês Nada de afobação, descrédito em si mesmo, insatisfação pessoal. Ok? Que tal aprender a esperar as surpresas que o tempo traz? Ele revela o que precisamos, é justo e requer constância nas atitudes para que dele possamos colher seus bons frutos. Entenda a fase que você está passando, faça por onde mudar e goste de você do jeito que é, acima de tudo! De resto, vamos rumos aos objetivos!"

Dicasnutri


Pelo bem...




Pela cura,
Pela Paz,
Pelo Amor,
Pela união.


 

12 de agosto de 2015

Desencanando geral...



"... aí você aprende que cada um oferece o que tem. E você para de revidar, de se preocupar, de se abalar com o julgamento de quem vive de mal com a vida. Você percebe que atrai o que transmite, e passa a usar seu tempo só com quem te faz bem, e aí fica em paz!" 

Karla Tabalipa

Um lugar pra relaxar


Precisando urgenteeee de um lugar pra relaxar!



11 de agosto de 2015

Saber entender, esperar e aceitar...


Saber aceitar, mesmo nos momentos difíceis e esperar o tempo necessário para as respostas é a verdadeira lição, muitas vezes! Confesso, embora esteja melhorando nisso depois de muitos acontecidos, ainda sou falha. E tem dias e momentos que a minha paciência, perseverança e compreensão estão por um fio diante de tudo que acontece. Quem sabe com o tempo eu aperfeiçoe esse lado de crença e espiritualidade sem questionamentos.



10 de agosto de 2015

9 de agosto de 2015

Costurando e aprendendo... sobre colcha de retalhos e a vida!




Muitas vezes, mais por nós do que pelos outros! E mesmo que não se tenha nada em comum mais, deixa ir embora o que foi e o que não foi. Impossível reescrever um novo capítulo se não encerrou o anterior. Livraimo-nos de sentimentos e pensamentos que mais vão nos atrasar do que deixar evoluir. Se permita absolver de qualquer culpa, principalmente aquela que embutimos para nós com aqueles "e se". Se você fez tudo o que tinha e podia fazer, consciência tranquila ao deitar no travesseiro. Tudo na vida acontece por uma razão e há pessoas que entram ou saem de nossas vidas para nos ensinar algo, na maioria das vezes sobre nós mesmos do que delas. Façamos o nosso melhor sempre. Não vamos sair perdendo ao sermos fiéis aos nossos valores, caráter e índole. Por mais que em momentos de raiva a gente se arrependa de ter desprendido nosso melhor para aqueles que não souberam nos valorizar ou nos rejeitaram. Não há espaço para remoer mágoas, chateação, insatisfação enquanto há tanta coisa boa chegando na nossa vida o tempo todo. E por mais que doa essa falta de no mínino consideração, quem sai perdendo são aqueles que nos desdenham e não nós que tivemos coragem e sinceridade para demostrar verdadeiramente afeto. Há coisas na vida que acontecem independente de nossa vontade, assim como as ações dos outros sobre nós. Só podemos aprender com cada experiência a lidar da melhor maneira possível, transfomar em aprendizado e crescimento. E assim, vamos tecendo nossa colcha de retalhos. E que pra ficar bem acabada e esticada, não pode ter nós nas costuras... Não é fácil. E nem sempre ao refazer a costura a gente consegue consertar de primeira. Mas assim como tantas coisas, tudo é questão de prática. Com o tempo a gente aprende a desatar nós com destreza e de forma tão simples que parece que sempre soubemos fazer isso. E mesmo que a agulha quebre, ou a gente perca a linha, ou dê novos nós ou o traçado saia torto, ou que a gente fure o dedo que não falte paciência e fé para refazer melhor. Ou, deixar os erros pra lá e partir para uma nova costura. Mas sempre tendo em mente que imprevistos acontecem. Estando ou não preparados para eles, o importante é que a gente não desista antecipadamente de tentar.




Necessidade d'alma


"Dançar não é o que eu faço, é quem eu sou". 
A dança é mais que amor, muitas vezes é uma necessidade d'alma. Saudades! 
Contando os dias para voltar...



8 de agosto de 2015

Amor bom é amor simples




Você sentado do seu lado da cama, eu do meu, cada um no seu mundinho de relatividades me fez perceber que o amor é delicado e simples, feito carnaval de rua de interior. Não carece de roupa de grife, sapato apertado ou de um jantar num restaurante chique da moda. Basta uma pipoca, um cobertor, uma taça de vinho, e um par de pés embolados naquilo que se costuma chamar de vontade.

Complicado é o trânsito, o relatório do trabalho, a prova de matemática. Cuidar do bem estar e da rotina do outro é tão fácil que aos olhos dos mais preguiçosos parece coisa de outro mundo. As transações não envolvem cédulas, as trocas não têm burocracia e ninguém é multado por estacionar no mesmo lugar todos os dias sem aviso de despedida. O amor não precisa de rímel, salto alto, escova de cabelo, muito menos batom vermelho. A cara lavada, o sorriso naturalmente doce e os olhos manhosos de quem acabou de amanhecer por dentro parecem suficientes para sustentar aquilo que se entende por admiração.

Ele gosta mesmo é do pós-festa quando o figurino montado é deixado de lado, quando você veste a roupa dele 5 tamanhos maior do que o seu ou quando troca a plataforma por uma rasteirinha só para dançar até o pé pedir descanso na noitada com os amigos. Ela já curte seu cabelo desgrenhado pela manhã, sua barba por fazer, seu cheiro de pele instintivamente afrodisíaco e o seu semblante frágil e cheiroso que irradia cuidado durante uma gripe.

A complicação vem da gente. da neura da depilação que está atrasada, da calcinha bege que era a única da gaveta, do medo de não conseguir levar a gata para um jantar bacana este mês, ou do receio do que ela vai pensar quando buscá-la de fusquinha branco e não conversível. Isso é medo bobo de quem fatalmente ainda não entendeu o que é amor. 

A simplicidade está no café da manhã feito com zelo e carinho, nas tardes de domingo ociosas vendo filme na TV, na vista do pôr do sol com os pés descalços na areia e no modesto chocolate comprado no ambulante na rua. Está em todas as vezes que se dedica o tiquetaque do relógio a alguém, nas mãos dadas pelos caminhos obscuros, e na permanência quando o resto do mundo foi embora. Cultivar uma parceria saudável exige dedicação e não dinheiro.

Para ser feliz ao lado da pessoa que a gente escolheu para dividir a travessia tudo de que se precisa é coragem. De encarar os próprios medos, de vencer os mais cruéis obstáculos, de enfrentar a rotina de todos os dias e de aprender a sorrir diante as eventualidades do caminho. Se entregar a uma união é praticamente como abandonar o colchão de molas nos dias de chuva para se aninhar no tapete da sala de estar. No lugar da pomba, o aconchego de ser dois. Que saibamos então abandona os carrés de cordeiro, o cruzeiro pela Europa, as gravatas e paletós engomados, para vestirmos de verdade o único sentimento que faz a diferença na história deste romance: a reciprocidade.


O amor é baratinho. Tem sabor de pizza na manhã da ressaca, sede de suco de laranja caseiro, e a cor daquela toalha de banho nova comprada na promoção do jornal. Quando a gente finalmente compreende a essência de ser um casal a vida fecha o seu ciclo de infinidades. Luxo nenhum compra a paz de se sentir em casa dentro de uma relação. O que importa é aquela carruagem feita de respeito e tranquilidade que ambos conduzem todos os dias dentro de si, com todas as bagagens imprescindíveis para uma parceria de qualidade: vontade, compromisso e bom senso. O resto é bagunça desnecessária acumulada debaixo do sofá. O amor é simples. Como eu, como você, como aquele dia em que a gente resolver faltar ao jantar de gala da faculdade para comer churros na esquina de casa, como o tempo. Quando se entende o movimento dos ponteiros tudo flui naturalmente. Quando se entende a simplicidade de cada olho no olho sem maquiagem é que achou a hora de ser dois.


Casal Sem Vergonha

Seja bem vindo fim de semana...


"Que o final de semana seja do jeitinho que você espera e da forma que você merece" 

Clarissa Correa.



7 de agosto de 2015

A difícil tarefa de não sacanear quem te ama


O que para alguns é o óbvio, para outros é um imenso desafio.

Sempre me pareceu muito lógico: quer ficar, fica. Não quer ficar, vai. Século XXI, tem divórcio, tem direito de ir e vir, tem easy taxi, tem uber, tem até skate elétrico. É só ir, mesmo, não há mais bolas de ferro presas a correntes e tornozelos.

Pois é. Ninguém nunca espera amar uma pessoa sacana. Ninguém escolhe um sacana. E talvez ninguém seja deliberadamente sacana. Talvez. Mas é fácil acabar amando alguém. Alguém que parece bom, alguém que parece um futuro sem nuvens, uma lagoa que dá pé. Mas de repente, não mais que de repente, a gente pode se ver afundando no meio da chuvarada.

Não sei se alguém merece ser sacaneado. Não sou muito dessa onda de vingança, acho mesmo que a vida se encarrega. Mas se for para sacanear alguém, cara, não sacaneia quem te ama. Você pode roubar o grampeador de seu vizinho de baia, pode pegar a vaga de alguém que já deu seta, pode não avisar que veio troco a mais numa vendinha de bairro, pode fazer um monte de coisa errada. Mas não faz com quem te ama, sério mesmo.

A gente sabe que os ventos mudam, que as chamas se apagam, que os amores podem perder o sentido. É um direito de todo mundo, deixar de amar. Deixar de querer. Deixar ver ali o que sempre se quis. Não tem problema, pode ir embora. Embale suas coisas, saia de cena sem esperar aplausos nem lágrimas, ninguém roubou seu papel, nem ninguém quer te trancar na coxia.

Mas partir não é para os fracos. Partir é para quem assume a dolorosa incapacidade de ser feliz e de fazer alguém feliz naquela história. E dói pra caramba. Partir, especialmente na hora certa, virou coisa de gente excepcionalmente decente. Partir pela porta da frente, sem sombras nem mentiras, virou mérito dos grandes.

Porque é mais fácil ir ficando. Ir testando amores, comparando sabores simultâneos, traçando paralelos, seja por dúvida na alma ou por mera fanfarronice. É mais confortável alimentar esperanças e ser incoerente. É mais garantido ir levando as coisas assim-assim, só por enquanto, só pra ter certeza, certeza que demora, certeza que geralmente acaba nunca vindo.

É mais cômodo acreditar que o que se fez foi um escorregão e não uma sacanagem. É mais agradável se enxergar como alguém que fraquejou do que como um fraco. É mais fácil buscar mil justificativas do que assumir uma única verdade.

Pois é. Tanta gente no mundo pra sacanear e tem gente escolhe sacanear bem aquela pessoa. Aquela que acredita em seus olhos, que te espera com mãos ansiosas, que fica te olhando ir embora até você sumir de vista, ainda com seu cheiro na memória.

Que mau gosto, hein meu amigo? Realmente uma pena. Poderíamos ter ficado sem essa.

Ruth Manus

http://vida-estilo.estadao.com.br/blogs/ruth-manus/a-dificil-tarefa-de-nao-sacanear-quem-te-ama/