18 de janeiro de 2012

Quando o não é não!



Ontem, fiz um comentário na minha página no FB e que não foi bem visto por algumas pessoas. Como toda escrita, ela pode ser bem ou mau interpretada. A comunicação se dá sempre no receptor. Mas, de qualquer modo, o que eu quis não foi concordar e nem discordar com atitudes alheias. Quis apenas manifestar minha chateação pela mídia dar ênfase demais a certos assuntos e pouca ou nenhuma para outros que considero tão graves quanto.

Para quem não assiste ao BBB, vou atualizar sobre os fatos: durante uma festa, rolou um clima entre um casal e eles foram para o quarto. Ela, aparentava estar alcoolizada, e ele aparentou se aproveitar disso para ter relações sexuais com ela. Na manhã seguinte, após ver as imagens na íntegra e em tempo real do programa, alguns telespectadores começaram a postar na internet que teria acontecido um estupro no programa. Preocupados com a tal repercussão, o diretor do BBB, Boninho e o apresentador Pedro Bial, se reuniram com a diretoria do programa para analisar as imagens e chegar a uma conclusão. Quando a reunião acabou, deram uma declaração no site da emissora, Globo.com, que sem sombras de dúvidas, houve sexo. Só que pelas imagens gravadas, uma pessoa aparentava não se mexer durante o ato. Sendo assim, foi caracterizado um estupro. Diante disso, o barraco foi armado na casa mais barraqueira de todos os tempos. Deu polícia no programa, e o tal acusado de abusar sexualmente da menina chapada foi expulso do programa. No resumão foi isso!

Só que eu vejo no meu trabalho, uns 30 programas de TV ao todo, diariamente. De diversas emissoras. E, a maioria deles, só noticiavam isso. Td bem, meter o malho na concorrente é pau pra toda obra. Mas, a minha indignação foi em cima de tal fato, independente de ser certo ou errado, ganhar uma repercussão maior que muitos outros casos, piores ou iguais a ele, que acontecem todos os dias. Diante disso, minha declaração foi mais ou menos essa:

"A mídia não tem mais o que fazer, não? Agora a polêmica da semana é em torno do suposto estupro dentro do BBB. Eles são maiores de idade, foram lá porque quiseram, e uma das propostas do programa é essa. Ela bebe, não lembra o que faz e a culpa é dele? Não tô defendendo! Se não foi consensual é crime do mesmo jeito e ele merece pagar. Como já começou pagando! Já foi expulso do programa e periga ser processado por ela aqui fora. Mas ela tb é tão culpada qto ele. Existem casos piores ou iguais a esses todos os dias aqui do lado de fora da casa e que não ganham metade da repercussão disso". Foi mais ou menos isso, porque não me lembro ao certo as minhas palavras. E foi uma polêmica maior do que ver as cenas do acontecido.

Algumas poucas pessoas foram contra meu comentário (algumas que não assistem ao programa). Mesmo eu tentando justificar que a minha indignação era com a cobertura da mídia sobre o caso. Outras pessoas foram a favor (que assistem ao programa). Para não gerar uma polêmica maior, de maior proporção pois já havia gente discutindo entre si, eu retirei o comentário da página. Pois acho que opinião é que nem religião e futebol, cada um tem a sua. E eu não estava sendo intransigente. Nem tomei partido de ninguém. Só falei o que eu acho, baseado no que eu vejo, todos os dias.

Algumas pessoas foram justificar que é por pensamentos como os meus que mais mulheres são estupradas e ainda colocam a culpa nelas. Que a bebida não é desculpa para o acontecido. Que não é não em qualquer situação. Que não podem se aproveitar assim de outras pessoas e etc, etc etc... Eu concordo com tudo isso. Em momento algum eu disse que ela teve o que mereceu porque estava bêbada. Eu jamais falaria isso! 1° porque sou mulher. 2° pq detesto covardia, seja de que forma for e contra quem quer que seja. 3° porque eu conheço uma amiga que foi estuprada. E porque ela tinha bebido e não estava com seus reflexos 100% não conseguiu se defender quando ela disse "não" e o cara não se contentou. Eu vejo uma série policial na TV, chamada Lei e Ordem SVU (unidade de vítimas especiais) que aborda casos de violência, abuso e estupro... E já vi relatar em muitos programas, que a própria vítima se recusa a denunciar o abuso ou o estupro por ter bebido. Acham que sendo assim, elas foram culpadas. Que de algum modo causaram a situação. Não, definitivamente, eu não concordei com o cidadão fazer o que fez. Se aproveitar dela, ela estando inconsciente por conta da bebida. Se ele fez isso mesmo, merece pagar. É crime! Nunca iria ser insana de concordar com uma atitude dessas. Mas, tudo tem o outro lado da moeda. A maneira como a vítima se comporta diz se ela é vítima realmente ou não.

Especificamente, falando do programa, e que eu assisto, a menina tem todo o direito de mudar de ideia. De dizer sim e no minuto seguinte dizer não. Só que não é o caso. Nem nunca foi! A maneira como ela age dita o que ela quer. Ela mesma, deu uma declaração falando o que aconteceu. Não foi invenção da minha cabeça... foram as palavras dela. Ela disse que não queria transar, mas falava não e voltava atrás, falava não e beijava ele, falava não e passava a mão nas 'coisas' dele, falava não e tarava ele mais do que ele a ela. Ai, me poupem, não é dizer não! Quando a gente diz não com firmeza, com vontade, com convicção tem que ser respeitado. Mas esse não furreca que ela disse e ainda por cima de esfregando, se oferecendo toda pra ele? Nunca que isso vale como não. Ela passou o dia inteiro nessa putaria. Se insinuando pra ele, se jogando pra cima dele mesmo. E até na hora H. Ninguém obrigou ela a ir pro quarto com ele, a deitar de calcinha com ele, a fazer brincadeirinhas com ele debaixo do edredom. Se ela tivesse se arrependido, dizia não, levantava dali e ia dormir em outra cama. Ou mandava ele fazer isso. Mas não! Continuou atiçando o homem.

Não estou defendendo a atitude covarde dele. Se ela estava alcoolizada, dormindo, sei lá o que, ele não tinha o direito. Ela não estava em sã consciência e ele não podia se aproveitar disso. Mas, me parece que a consciência dela parou só na parte que convinha. Porque no mais, ela se lembre de tudo. E, inclusive acordou aos beijos e abraços com ele no dia seguinte. Se ela achasse que tivesse sido abusada sexualmente, no mínimo que fosse, acho que agiria diferente. Ao menos, eu agiria diferente! Mas, como cada um é cada um... Se a postura dele não foi ética, a dela muito menos. Acho, na minha opinião que os dois foram culpados para isso acontecer. Chegar ao ponto que chegou. E venhamos e convenhamos: é uma das propostas do programa. Sexo, putaria, sacanagem, dá IBOPE, audiência. Tudo que gera polêmica é bom. Aí, armou-se o estardalhaço. Na noite de segunda, Bial anuncia que o menino está fora do programa, foi desclassificado, sem maiores explicações. A menina deu um depoimento no confessionário, dizendo sobre as lembranças dela. Ela, em momento algum disse que ele teria feito algo que ela não tivesse concordado. Mas, aquela altura do campeonato, parece não fazer mais diferença a declaração dela. A mãe dele, naquela hora já estava sendo ameaçada pela família dela. O caso ganhou uma repercussão tão grande antes mesmo de ser apurado. Se tivessem divulgado até a desclassificação dele do programa de acordo com a postura não ética dele, se o programa não abrisse espaço para isso, tudo bem. Até concordo com a atitude do programa, para tentar se eximir de uma culpa que eles também têm. Afinal de contas, eles não se responsabilizam pelos atos dos participantes, mas é como colocar uma arma na mão de um homicida, ou uma criança na cama de um pedófilo. Juntar bebida + pessoas confinadas + hormônios em ebulição + a ideia de que ali tudo pode, tudo é permitido porque é bom para a promoção da imagem, que vai ajudar a ficar no programa se rolar sexo, se formar casalzinho... sim, é em partes culpa do programa também. "A Globo deu quarto, cama, edredom e muito álcool, ficou vendo tudo e não intervir em nada. A Globo estupra sua inteligência". Dudu Pererê. E, antes de alardear, chegar junto aos dois e saber a versão deles, o que de fato aconteceu. Porque imagens podem ser uma coisa, mas palavras são outras. Colocaram a coisa como se ele fosse um monstro para depois dizerem: "é, bem, a coisa não é bem assim!"

Nas ruas, as opiniões se dividiam e embora eu visse bastante opinião indignada com o que aconteceu, a maioria não defendendo o rapaz, mas achou um absurdo chegar a expulsão dele da casa se ela também deu condições para o caso parar aonde foi parar e para depois, ainda voltar atrás em suas declarações. Em momento nenhum ela disse ter acreditado que ele pudesse ter feito alguma coisa com ela e ela não tivesse sentido. Em momento nenhum ela o acusou de alguma coisa, é verdade! Mas, porque não o eximiu da culpa sozinho antes? Na noite de terça, Bial antes do programa começar, anunciou que a menina disse que tudo o que aconteceu foi consensual, que ela estava consciente sim e ciente dos riscos. Pronto! Ta ai, o que eu havia falado anteriormente e que fui recriminada por isso! Na minha opinião, agora, depois da sacanagem que ela fez com ele, de deixar ele sair como um monstro sem escrúpulos e sendo odiado por muito, ela tinha que sair também. E a sorte dela é que os demais participantes da casa não souberam o motivo da saída dele porque o programa não divulgou. Porque senão, ela estaria sendo retaliada lá dentro também. Porque quem estava lá viu como tudo aconteceu.

Moral da história: uma polêmica que gerou uma polêmica armada maior ainda e para nada. Pois, as polêmicas maiores tão aqui fora e ninguém faz nada à respeito! Eu vejo casos graves ganharem à mídia por 1 dia e quando ganham. Eu vejo pais estuprando filhas, irmãos violentando os irmãos menores. Tios, estuprando sobrinhas, namorados suas namoradas, professores abusando de alunos, jovens abusando de idosos, até humanos abusando de animais. É repugnante, é nojento! Isso sim, pra mim é revoltante! Não o fato de uma menina se oferecer para um rapaz, fazer o famoso cú doce, ganhar para estar ali e saber que essa é uma das vertentes de um programa no qual ela escolheu entrar por livre e espontânea vontade. Colocar a culpa na bebida é fácil. Bancar suas atitudes é que é difícil, ainda mais em rede nacional. Quantos estupros na vida real não são forjados, por medo dos pais, do namorado, do irmão, do amigo... MILHARES! E esse, foi apenas mais um!

E, pensem comigo: se transar sem se lembrar fosse errado e isso virasse estupro, PQP, o carnaval estaria tomado de estupradores e estupradoras, porque hoje em dia, tem muita mulher por aí com mais fogo do que homem. Nada contra uma mulher que bebeu além da conta, ir para um hotel com um home, chegar lá e se arrepender. Diz não e dá meia volta. Mas, porra, banca o seu não! Não é não! E ninguém tem o direito de violá-lo contra a sua vontade. Mas, dizer não querendo dizer sim... ai não dá! E cá pra nós, a gente conhece muitas por aí que fazem isso à rodo! E que no fundo, acabam prejudicando a reputação das verdadeiras mulheres, não vagabas, com quem acabam sendo comparadas.

Volto a dizer: minha indignação não foi com ela e nem com ele. Se ele agiu errado, teria que pagar mesmo. Mas, não acho que a conduta dela tenha sido a mais correta também. Mas, a minha revolta maior foi com a mídia como já disse. Ela tem muita coisa para fazer gerar polêmica se for noticiada, se ao menos as pessoas tiverem a chance de expor seus casos. E por favor, apurem antes de divulgar uma notícia! Antes de fazer dela um escândalo! Algumas pessoas podem sair prejudicadas com essa atitude nada profissional e ética. E no final das contas é aquilo de sempre: um disse que me disse e ninguém se responsabiliza.

Lamentável!!!

Mas, lamentável mesmo é o caso do ginecologista de SP que abusava e até estuprava mulheres e adolescentes, muitas virgens em seu consultório, quando iam à uma consulta. Eram dopadas e violentadas durante um exame que dizia ele ser de praxe. Ng via, ng fazia nada. Nem elas sabiam. Até que uma enfermeira, desconfiada, filmou várias pacientes em 1 único só dia. Pergunto: quantos de vcs sabem dessa notícia? Se mais de 1 pessoa souber já estou feliz. Pois ela foi nada mais nada menos do que 1 nota de 30 segundos, dada na mesma emissora que divulgou por quase 30 minutos a matéria do suposto estupro dentro da casa do Big Brother Brasil. Uma das vítimas, tinha 11 anos e suspeita-se que ela esteja grávida. O médico foi preso, mas conseguiu habeas corpus e aguarda o julgamento em liberdade. As demais vítimas só ficaram sabendo que foram estupradas ou molestadas porque o hospital entrou em contato devido as fichas médicas e encaminharam para exame de corpo delito. Muitas, vão continuar sem poder provar nada. Mas, as meninas que ainda eram moças vão poder provar sim. E só elas somam um total de 30 adolescentes.




Boa noite!

Um comentário:

Adriana a Faladeira disse...

Oi Fê, concordo que a repercussão está sendo além da conta. Acho que não precisa de tudo isso. Concordo também que se ele saiu para que o caso seja apurado, ela também deve sair, já que é ela quem deve acusá-lo. Afinal, se não tem vítima não tem culpado né? Se foi consensual não há estupro. Eu até parei de ler ou falar sobre o assunto porque fico irritada. Também me irrita ficar ouvindo que c* de bebado nao tem dono. Acho que a coisa é bem complexa e não dá pra ser banalizada. Mas quem tem que responder é a emissora que é a responsável pelo que o povo assiste. Quanto ao médico que vc falou, não me lembro desse que dopava as pacientes. Lembro daquele famoso que fazia fertilização in vitro, do qual se falou muito pouco e de um de Taubaté do qual se falou quase nada. Nem esquenta com os comentários alheios. Tem gente que não sabe discutir, só sabe ofender. Uma vez me disseram : vc pode discutir com um gênio e ganhar a discussão, mas de um ignorante vc vai sempre perder.
Deixe pra lá os ignorantes. Eles que batam o pé a vontade e gritem aos 4 ventos que estão certos e o mundo está errado.
Abraços