26 de dezembro de 2012

O novo natal!





Vivemos em um tempo de transformação. Da transição do antigo para o novo. Numa eterna adaptação cultural e social de gerações. E nessa mudança, adaptemos também a maneira como são comemoradas as datas festivas em família. Já que o conceito de família hoje é constituído de maneira diferente, que possamos transformar a maneira de celebração. Assim como a vida ficou mais dinâmica, as comemorações em família também. Como há uma extensão muito grande de parentescos, acaba ficando difícil reunir todos debaixo da grande árvore ou em volta da mesma mesa como antigamente, nos natais de nossas avós, bisavós... Por uma incompatibilidade também de agendas, não só de lugar, já que todos os parentes também tem outros parentes, filhos que têm filhos, e de repente os namorados (as) dos filhos (as) e suas famílias, os amigos e suas famílias e por aí vai. E quando se vê tá uma parentada danada que mal se conhece. E é em um ou outro natal que começam a se conhecer.

Mas, venhamos e convenhamos. Assim como há os melhores natais em família, há também os desastres. Onde os encontros não são tão esperados, as cias nem tão agradáveis assim e a união torna-se constrangedora por alguns 'poréns'. Essa data acaba sendo um grande inconveniente e não algo legal. Talvez por isso, cada 'galho' da 'grande árvore' familiar esteja passando, ano após ano o natal cada um no seu quadrado, que é melhor. Sem problemas, se stress, sem aturar ninguém, nem fingir sorrisos ou ouvir piadinhas de mau gosto infames! Já que o sentimento que deve prevalecer nessa data é de amor, não teremos que guardar no nosso íntimo a vontade de esganar alguém.

Eu como há muitos anos, aliás, sempre, passo com as mesmas pessoas da família que moram juntas não sei o que é passar com gente a mais ou a menos. Apenas pessoas que já estamos acostumadas a lidar. Mas ouço histórias mil de natais desastrosos que eram para acontecer e ruíram. Mas enfim, voltando ao conceito de novas comemorações familiares... tem que ter tempo para todo mundo! Nessa nova constituição de núcleo familiar onde casamentos mil acontecem e separação também acontece a rodo, e encontra-se novas pessoas e cria-se uma nova família, essa nova família tem que se agregar a 'antiga' família que não é antiga e que vai ser família para sempre. Uma confusão danada! E eis que me pego lendo um texto formidável da minha ídola Martha Medeiros: natal em famílias! Eis aqui o link de um blog que tem o texto dela:

http://entrelacos.blogspot.com.br/2012/12/marthamedeiros-natal-em-familias-o.html

Descreve como ninguém o cenário familiar e as comemorações de hoje em dia. Eu ria horrores, apenas imaginando a saga de u pobre coitado desses. Porque é exatamente assim, quando se tem muitos parentes próximos, num grau grande de convivência a presença é sempre cobrada. E na maioria das vezes o cobrado não quer desagradar a ninguém e aí de divide em 2.000 pedaços e acaba que ele mesmo não se agrada!

Sou a favor das pessoas fazerem aquilo que têm vontade. Se de fato é vontade delas passar em 500 casas antes da meia-noite, fazer uma social e vazar ok, entendo e aceito. Mas caso não queiram sair de suas casa ou de seus quartos, que fiquem lá. Quem gosta de natal comemora, quem não gosta não comemora. Essa obrigatoriedade imposta às vezes me mata. Já foi o tempo em que eu fazia coisas para agradar, ou melhor, para desagradar aos outros e acabava que não agradava a mim. Ou não agradava a quem eu me sacrifiquei para agradar. E acabava que ninguém ficava agradado, rs. Eu comemoro o natal porque gosto. Fico em família porque gosto, é divertido e me faz bem. Agora, já fiz algumas modificações básicas no 'andar' da noite que já não me serviam mais. Sou uma pessoa muito democrática e fui logo dizendo: vocês querem, vocês curtem. Eu não quero, me retiro! rsrsrs... coisas bobas do tipo ouvir músicas de natal cantadas pela Simone, mas que me incomodavam e agora, de uns 2 anos pra cá, com certeza incomodariam muito mais. Então, riscando algumas coisinhas, ficou tudo legal. Mas já no meu trabalho, no dia seguinte às comemorações, já chegam colegas contando da sua desastrosa noite na da feliz e eu rindo às encondidas lembrando do texto e agradecendo por não passar por isso também.






2 comentários:

http://abebedorespgondufo.blogs.sapo.pt/ disse...

Feliz Ano Novo 2013.

Dama de Cinzas disse...

Também sou super a favor de cada uma passar o Natal, Ano Novo, Carnaval e etc do jeito que bem quiser.

Quando digo que vou passar e passei o Natal sozinha,as pessoas entram numa de me consolar, só que não preciso de consolo, eu passo bem o Natal sozinha, sem nenhuma neura em relação a isso. Não sei onde está escrito que Natal tem que ser junto com um monte de gente.

Bem, mas eu como não ligo mesmo, sigo em frente... rs

Beijocas