8 de fevereiro de 2013

De repente 30




Estou às vésperas de completar 30 anos. Não, não estou desesperada, em pânico e nem em crise existencial. Na verdade, não sinto nenhum remorso em dizer que não sinto o peso da idade nos ombros, ainda! Sei que um dia ei de sentir, mas por hora, ainda não! Não estou amarrada as consequências impostas pelas pessoas no marco dessa idade. Toda idade fechada é um ciclo que se encerra e outro que se inicia. Mas os 30, vejo como um parâmetro onde as pessoas fazem a separação da vida jovem da vida adulta. Você não é nova demais e nem velha demais. É a hora de ter conseguido alguns objetivos na vida, mas ao mesmo tempo ainda dá tempo de correr atrás de outros. É a idade estipulada boa para se ter filhos e constituir família, embora eu ache que isso acontece para cada um quando tem que acontecer. É a hora de uma estabilidade e firmamento de carreira. Mesmo sabendo que oportunidades e riscos ão de aparecer por toda a vida. É o momento onde as pessoas e até a gente mesmo espera realização, sucesso, satisfação e felicidade, como se isso não pudesse ser alcançado ou pudesse ter sido adquirido em qualquer outra idade.

Vejo há algum tempo, muitas amigas e mulheres em minha volta debatendo sobre essa questão dos 30 como se fosse um debate político. Os prós e contras de se ter essa idade. A carga e as cobranças que ela carrega.    O desprendimento que ela exige e fico me perguntando, porque isso. Porque as pessoas se martirizam tanto com um número? Sim, pois 3.0 nada mais é que a simbologia de uma idade e não a determinação de fatos na vida. Entendo que algumas, ou muitas pessoas se deem prazos para alcançar metas e objetivos. Acho isso super válido. Pois existe um tempo razoável permitido para insistir nos sonhos. Se eles não acontecem como ´planejamos ou as coisas não saem como o esperando, é hora de buscar novos focos na vida. Mas não entendo porque isso não pode acontecer em outra idade qualquer. Eu poderia estipular que as 25 anos, 38 anos, 43 anos se eu não for, não tiver, não conseguir, mudarei os planos. Mas as pessoas encasquetam com a pobre dos 30 que ficou marcado como a idade das crises! Confesso que tracei alguns planos de vida e eu impus para mim um prazo. Ser os 30 é apenas coincidência. Já que quando estipulei, tinha 25 anos e impus um prazo de 5 anos. Não achei muito longo e nem muito curto. Visto que muita coisa não acontece de uma hora para a outra e nem no nosso tempo, de acordo com a nossa vontade! Algumas coisas consegui realizar, outras não. Algumas eu posso manter a vontade de alcançar outros tenho que desistir. A sabedoria não vem com a idade e sim com o aprendizado em vida. E isso, pode ser vivido 10 anos em 1 dia ou 1 dia em 10 anos. Vai depender de cada um, de suas ações. Mas sim, fato é que é uma idade em que temos que nos encarar de frente diante do espelho e bater um papo sério. O que não está funcionando, limar. Não adianta ficar empurrando com a barriga. O que está dando certo, continuar. O que se pode mudar de metas e foco, mudar. O que pudermos tirar de aprendizado, espremer o suco até o bagaço. E com isso, fazer um novo cardápio e se refastelar para o resto da vida. Mudando as combinações de ingredientes sempre que achar necessário!

A neura toda começa com duas questões: relacionamentos e estética. A segunda, embora todos mundo ache um bicho papão é bem mais fácil de se resolver. Gente, pra mim a didática da coisa é bem simples. Quem é feio não vai embelezar e nem ao contrário. Somos que nem vinho, na minha visão: quanto mais velho melhor! Acontece que se o vinho é de 5ª categoria, logo ficará uma porcaria. Não, não que mulher feia seja de 5ª. Embora exista muita mulher de 10ª categoria. Mas não há como esperar um milagre apenas porque amadurecemos. Jeitinho sempre dá pra dar. Como a outra máxima que diz que não existe mulher feia e sim mal cuidada. É verdade, e hoje com tantos avanços estéticos, desde novas, as mulheres já podem começar a cuidar da beleza e do corpo, sem ter que deixar para os 30 correr atrás do prejuízo caso não tenham sido favorecidas com bela pele, belas curvas, bela genética. O conceito de cuidar da beleza tem alcançado cada vez mais mulheres desde cedo. Já com relação a parte da saúde, acho eu sempre devemos cuidar dela. E não apenas quando ela grita que merece uma atenção especial. Confesso, ñ estou na minha melhor forma, já estive melhor. Qto a beleza, não me considero linda, mas me contento sabendo que existem piores, rs. Procuro me cuidar de forma saudável e não obsecada. O metabolismo quando vamos envelhecendo não trabalha mais de forma ágil como quando somos mais novos. Por isso, é necessário maior atenção aos cuidados com o nosso corpo. Também, nessa idade - pobre coitada da idade - dizem os médicos que a nossa pré-disposição genética começa a falar mais alto. Por tanto, se você comia muito e  era magra, ganhava gramas, pode ser que comece a ganhar mais uns quilinhos. Se a sua família toda é gordinha e você não, nessa idade pode ser que você comece a trilhar o caminho genético da família. Atenção redobrada! Também é nessa idade, segundo os médicos, em que alguns problemas ocultos de saúde tendem a "dar às caras". Muitas vezes, as doenças ou problemas de saúde não tão graves ficam mascarados com a boa disposição de física e hormonal. Depois dos 30 quando diminuímos as intensidades físicas, a não ser que se é atleta, abrimos a porta para que aflorem o que estava escondido! Por isso, os médicos recomendam alimentação saudável, exercícios físicos regulares, atenção com o bem estar e é claro com a parte estética também sempre. Agora, com a questão de relacionamentos... tem mulher que quando passa dos 30 e se vê sozinha, se sente o cavalo do cocô do bandido e acha que vai ficar para a titia. Como se encontrar a pessoa certa, se apaixonar e ter a vontade de constituir uma vida juntos obedecesse a regras como tempo e idade. Ah se fosse assim... tudo seria muito mais fácil, não é verdade? Mas não é! Quando a pessoa não tem vocação para ficar sozinha, é ruim em qualquer idade, não é verdade? Mas, encaremos com bons olhos... quando estamos mais maduros, mesmo que se relacionar seja se atirar no escuro, temos um discernimento maior para podermos avaliar as pessoa, suas intenções, suas ações... não que isso seja garantia de sucesso. Quando se trata de relacionamentos, nada se tem garantias. Mas já somos um pouco vividas para não cair mais em algumas "armadilhas" que conquistadores baratos adoram deixar soltas por aí! Algumas de nós já saímos do mundo da fantasia e desmistificamos o príncipe encantado. Conhecer e encarar a pessoa como ela é de fato e não como nossos olhos insistem em nos mostrar já em belo passo rumo ao sucesso. Tendemos a criar grandes expectativas e ilusões em cima de outros e isso, consequentemente nos fere. Com o passar dos anos e alguns relacionamentos no currículo, falo por experiência, a gente aprende. Não só nos conhecemos melhor, nosso limites, capacidades, sentimentos, atitudes como passamos a reconhecer em cada um o potencial de cada um. E torna-se mais fácil se relacionar com a pessoa de carne e osso que tem erros e defeitos, assim como nós. Já possuímos uma identidade bastante sólida para não abrirmos mão de graça de nós ou de algumas coisas que são importantes para nós quando somos colocadas contra a parede. Já conseguimos lidar melhor com algumas situações inesperadas e indesejáveis. Não, a idade nada tem a ver com impedir que as coisas aconteçam. Mas quando elas acontecem, usamos a nossa experiência a nosso favor. Isso, claro, quando a pessoa é centrada e não desesperada, otimista e não derrotista, realista e não sonhadora. A personalidade de cada uma vai ajudar ou dificultar as coisas na vida de cada uma. Mas é certo que independente disso, a gente aprende, ah se aprende! rs.

Valorização da vida, das pessoas, de nós mesmos também é uma coisa que vem com o tempo. Para uns demora mais para vir, e para outros pode nunca chegar! Recentemente, perdi uma amiga muito querida e muito chegada, de forma inesperada. Isso reacendeu em mim a convicção de que a vida é um sopro e a vela pode ser apagada a qualquer momento. Perdemos muito tempo nos concentrado em coisas que não vai nos levar a lugar nenhum enquanto que não damos a devida importância ao que realmente é fundamental: as coisas simples da vida que nos fazem bem. Mas, como às vezes nos achamos autossuficientes, achamos que somos melhores que a vida, que podemos escrever nossos caminhos, ditar as regras. Engano nosso, a vida sempre vai arrumar um jeito de nos mostrar quem está no comando. Pode ser doloroso ou não, mas geralmente é. Podemos aprender pelo amor ou pela dor, mas frequentemente escolhemos a segunda opção, mesmo que inconscientemente. A cada dia vivido deve ser oferecida uma comemoração. A cada nascer e pôr-do-sol na presença de familiares, amigos, com saúde, com uma casa confortável para morar, comida na mesa, algum dinheiro no banco, isso tudo não é muito valorizado diariamente. É necessário sermos arrebatados com a perda de alguma dessas coisa para só então darmos valor. Péssimo hábito que eu mudei há algum tempo. Hoje em dia, sou como naquela música do Rappa "brindo a casa, brindo a vida, meus amores, minha família...". Porque é maravilhoso envelhecer e perceber que temos muitas coisas com o que somar a essa colcha de retalhos. Um fio de cabelo branco brotou em minha cabeça e eu estranhamente fiquei feliz. Sinal de que estou envelhecendo. Mas, só envelhece quem está vivo. Envelhecer não, ganhar experiência rs. Podemos envelhecer fisicamente, mas espiritual e emocionalmente, podemos ser uma eterna criança e trazer dentro de nós o deslumbre eterno pela vida, pelas pessoas, por cada dia e a cada nova descoberta. Todos os dias, uma gama de possibilidades surge diante de nós. Basta ver e fazer a escolha. Se ela é certa ou errada, sinceramente é indiferente. A única escolha que eu considero a certa é a de viver! Hoje eu olho pra trás e vejo que sou feita dos lugares onde estive, das pessoas que conheci, das emoções que vivi, das comidas, das bebidas que experimentei, das roupas que vesti e das cores que eu pintei a vida. Das músicas que dancei, dos filmes que vi, dos sonhos e das realizações. De tristezas, de lágrimas, de dor e de desespero. De descrença, de raiva, de lamento e de medo. De noites e dias, de sol e chuva, de frio e de calor. Algumas recordações como fotografias me permitem lembrar de cada momento. Mas a maior recordação sou eu, escrita, talhada, esculpida e pintada, com essa cara, com esse jeito, com essa cor. Tudo em mim exala reflexo da vida. E mesmo tendo coisa que eu não goste, que desejaria ter mudado, que e não concorde, sou muito feliz e agradecida por tudo!

É indescritível a sensação de estar viva e de perceber que isso é um presente concedido a poucos!

Não, a idade não vai me assustar. Nem as linhas de expressão no meu rosto, nem o corpo mais cheiinho  nem a falta de um emprego promissor, de filhos e de viagens. O dia em que o sol não nascer para mim aí sim terei com o que me preocupar. Mas fora isso, são apenas coisas que podem acontecer ou não, dar certo ou não, mudar ou não... Não importa aonde se chegue, o importante é caminhar!

Feliz 30 anos!!!
E que venha os 40, 50...


Um comentário:

Dama de Cinzas disse...

Ainda tá muito cedo para você sentir o peso da idade ou mesmo saber se vai lidar bem com a velhice... rs.

Quem dera ter meus 30 de volta, mas claro, sempre com a cabeça que a gente conquistou... rsrs.

Beijocas