16 de novembro de 2012

Não é apenas um filme!




Sou fã e talvez por isso esse post não valha a pena para algumas pessoas, pois acreditam que eu não terei a imparcialidade necessária para comentar sobre o tema. Mas, o que eu proponho sempre em qualquer filme, música, peça de teatro, livro, manifestação cultural e que se tenha o olhar apurado para ver além do que é mostrado e que se possa refletir sobre "a moral da história".

Ontem fui ver o final da Saga Crepúsculo - Amanhecer parte II - e amei. Claro, não só porque o filme de fato foi uma super produção, com efeitos especiais magníficos, com atores talentosos, com uma trilha sonora legal e uma história envolvente. Para quem é fã de qualquer coisa, a tal coisa sempre agrada. Mas, mesmo que eu ñ fosse fã, ñ poderia deixar de falar das partes boas de tudo isso. Apesar de ser um filme baseado em lendas de terror e que tem a mitologia de culto ao "demo", o assunto foi tratado com leveza e romance e que prova que até mesmo a mais estranha e repugnante das criaturas tem escolhas e escolhe viver dignamente ou não. Mostra também como respeitar as diferenças, já que vampiros e lobos, criaturas irreais vivem num mundo de seres humanos. Tudo bem que a vivência deles é meio que às escondidas, justamente para evitar o preconceito e o medo do desconhecido. Mas mostram como eles tentam viver normalmente e bem com os demais, vivendo as suas vidas sem atrapalhar ninguém. Mostra que o amor pode superar as adversidades. Mostra que sempre existe algo verdadeiro pelo que vale a pena lutar. Mostra que cada pessoas tem seu lugar de encaixe no mundo. Mostra que sempre pode haver compreensão quando estamos dispostos a compreender e a aceitar. Pena que essa parte, muita gente não vê. Ou critica porque não gosta ou critica porque não conhece, ou até mesmo, critica porque não se permitiu ver. 

Numa trilogia de um total de 5 filmes (Crepúsculo, Lua Nova, Eclipse, Amanhecer parte I e II) a história de amor entre uma mortal e um vampiro arrancou suspiro. Ainda outro ser se apaixona pela mocinha formando o triângulo amoroso mais pacífico do planeta. E, pela primeira vez não há certo ou errado apenas dois homens em suas razões disputando o coração de uma mulher. O mau ficou por conta de um quarteto intitulado "clã" dos vampiros que ameaça acabar com a tranquilidade e ameça o amor dos dois. Por diversas vezes são colocados à prova, mas com determinação conseguem vencer os obstáculos. Há ainda a trégua entre vampiros e lobos para que se consiga um bem comum que é lutar pela verdade, pelo que é certo. Inimigos mortais se juntam contra uma injustiça quando uma criança é ameaçada.  E é tão bonito de ver as crianças, que são as maiores influenciadas, batendo palmas, vibrando, gritando. A moral da história são diversos fatores que fizeram o filme ser um sucesso, principalmente entre a parte "teen". Só que a maioria não vê. Em vez de enaltecer cultos satânicos e tal o filme é uma mais leve, não fica focando na religiosidade e vai para um lado mais de fantasia. Já que toda criança já fantasiou um vampiro e um lobisomem. Já ouviu histórias sobre isso. Seu imaginário já voou acerca das histórias lidas sobre isso. E aproveitando esse gancho, joga-se uma história de amor. Pessoas totalmente diferentes se apaixonam e criam um cenário de adversidades. A cada novo filme um novo obstáculo para o casal que sempre consegue enfrentar o "mal" e se dar bem. E a cada filme ganham novos aliados nessa guerra, pelo simples fato de "fazer o que é certo", "pelo bem". 

Gosta-se porque gosta-se. Não há explicação. Me envolvi com a história e fui cativada por todo o contexto dela. Do início ao fim. Mas eu tb me propus a me deixar ver por detrás da história já enrredada. Sempre há as conclusões pessoais que contam. Em tempos de filmes de realidade nua e crua e que não nos deixam sair do nosso cotidiano de violência, vem uma história como num conto de fadas para amenizar. Não é um sobrenatural tão horripilante, rs. E, ao longo de alguns anos, vampiros os Cullens e os lobos viraram os monstrinhos mais queridos do planeta. Também, diga-se de passagem, com atores lindos, quem não se apaixona, não é??? rs. Todo mundo quer ser a Bella. E toda mulher quer encontrar seu Jacob, seu Edward. Que independente de como sejam em estilos de vida, de jeito ou fisicamente, querem amar de verdade e viver com uma mor que vale a pena. 

Grata ao filme também por me fazer ver, mais uma vez que posso não ser como a senhora Bella Swan, mas achei meu metade Edward, metade Jacob. Que me trata como única, como rainha, que me faz ver que tds os dias morreria por mim e que lutaria por nós até o final. E quem disse que adulto não sonha??? Sonha sim, mas secretamente, rs. E por instantes, voltei a ser criança e me deixei levar pela magia e encantamento.

Bom, dizer as más línguas, que a autora disse em uma entrevista que apesar de ter encerrado, oficialmente a trilogia, ainda tem material para mais filmes. Então... para o adoradores, ainda resta uma esperança. E caso não venham mais lobos e vampiros por aí, ficamos com uma bonita história e com um lindo final feliz (só pra variar, né? rs).



2 comentários:

Dama de Cinzas disse...

Eu não chego a ser fã da saga Crepúsculo, mas gosto de assistir todos os filmes e séries de vampiros. E com esse não é diferente, assim que fica disponível eu vejo.

Acho que os atores principais lá o casal é meio sem graça, mas o lobisomem é tudo de bom... rs

Beijocas

Fê Miceli disse...

ahhhhhhhhhhhh, mas isso é um achado únicooooooooo!!!! rsrsrsrs...

A Bella é linda, mas atuando é meio sem sal. Se bem que nesse filme ela mostra algo a mais, já que tinha que demostrar alguma diferença de antes, rs.

Edward continua a mesma coisa! rs

Beijokas