28 de abril de 2011

28 de abril: dia da sogra!



"Muitos vão te amar pelo simples fato de você ser o que é; outras pessoas vão te odiar pelo mesmo motivo, acostume-se...". Esta frase de autor desconhecido, bem poderia se encaixar perfeitamente para as sogras, no dia de hoje. Amadas por alguns e odiadas por outros, ao longo dos anos as sogras são temas de piadas e frases infames. Certamente, muito genro ou nora tem toda razão para pensar tal coisa. Quando as mãe se sentem ameaçadas com a presença de um(a) estranho(a) no vida do filho(a), viram bicho, literalmente. E para isso, não medem esforços para infernizar a vida de quem se atreveu a se aproximar do seu "bebê" e muitas vezes, até cria ciladas para acabar com o relacionamento da sua cria. Quem nunca viu o filme "A Sogra" com a Jenniffer Lopez, deveria ver. Ele conta a história de uma mãe superprotetora temendo perder a atenção e o poder sobre o filho com a chegada da namorada e com a aproximação do casamento deles. A tal sogra surta e faz coisas que nós, na vida real, julgamos exagero. Por outro lado, quem não gostaria de ter uma sogra como a Nenê, de A Grande Família? Tá certo que ela é meio exagerada na maioria das vezes e se intromete mais do que deveria na vida dos filhos.Tudo, como ela mesma diz, em prol da família! Mas ela é cuidadosa, compreensiva, carinhosa e atenciosa com o genro e a nora, mesmo eles aprontando o diabo. Aí, até que vale a pena, não é não?! rs.

Ficção à parte, o medo do abandono e da perda de atenção e de espaço na vida dos filhos é o maior conflito, dito pelas sogras. Que em sua defesa, saem dizendo que genros e noras também não têm a mínima vontade e paciência para entendê-las. O fato é que, independente de serem bons ou ruins, sogras, noras e genros têm que respeitar seu espaço e não ultrapassar os limites de cada um. Se for assim, acredito que a convivência será pacífica. Pelo menos, é o que quero acreditar! E acima de tudo entender que cada família tem sua criação, seus costumes, hábitos e valores diferentes. Não adianta querer mudar em 1 ano o que sempre foi a mais de 30. Ou impor a sua vontade! Tem que ser com calma, com concessões, com conversa. E, principalmente, deixar bem explícito o que você não gosta ou te desagrada, para que não venha gerar um problema ainda maior, no futuro. É um assunto complicado mesmo porque envolve vários sentimentos. E não tem uma receita para fazer dar certo. A convivência já é difícil com quem você mora e conhece desde que nasceu, que você ama de paixão, imagina com quem está chegando agora e que já deu indícios no olhar torto de que não vai facilitar as coisas para você. É pisar em ovos mesmo, até as coisas ficarem estabelecidas.

Eu mesma, no início do meu namoro com meu marido, meu relacionamento com minha sogra era muito bom. Quando anunciamos que iríamos morar juntos pronto, a convivência legal foi por água a baixo. Tudo em função do que acabei de citar acima. Ela julgava que o filho nunca sairia de casa, e quando viu que isso estava prestes a acontecer ficou com medo de perder lugar e espaço na vida dele. De não ser a pessoa mais importante. Bobagem... porque cargo de mãe e pai, ninguém ocupa. Ela só se convenceu disso, depois de bater de frente muitas vezes comigo e eu fazendo questão de mostrar ou que não ligava para o que ela fazia ou iria situá-la e colocá-la no lugar dela. Depois de alguns embates rs, amenizou a luta por parte dela e eu fui cedendo também. Aos poucos, voltamos a boa convivência e ela entendeu que a minha intenção nunca foi roubar lugar de ninguém. Muito pelo contrário: é unir todo mundo. Aí, ela se tornou uma excelente amiga, presente em todos os momentos e uma pessoa de muito bom senso, pois só se mete em algo quando é solicitada e, que de quebra, acaba fazendo tudo para me agradar e me ajuda em muita coisa, quando eu preciso.

E, apesar da fama da sogra ser gente ruim e ter mil xingamentos prontos para ela, acredito que muita nora e genro devem agradecer pela presença da sogra, que muitas vezes, realmente, e sem puxar saco, nos parece uma segunda mãe. E, na verdade, é! De acordo com a língua inglesa, a sogra é chamada de mother in-law (mãe pela lei). É uma mão na roda para cuidar dos filhos quando os pais querem sair ou ter momentos à dois. E, bem ou mal, mesmo sabendo que a gente vai fazer a coisa toda do nosso jeito, não custa nada dar ouvidos a quem tem mais experiência. Vai que ela tem alguma coisa boa a dizer e vai acrescentar positivamente. Não podemos ser também são intransigentes e preconceituosos pelo que sociedade impõe.

Enfim, se as piadas, as brincadeiras e até as ofensas são ditas o ano todo, imagina em uma dia como hoje? As rádios, por exemplo colocavam ouvintes no ar o tempo todo para este elogiar ou malhar a sogra. Pelo visto, a audiência bateu pico. Pois aquele fulano(a) pode não ter coragem de falar da sua, mas que gosta de ouvir, ah, isso gosta!!! Eu dei os parabéns para a minha sogra, principalmente por ela me aturar rs, pois sei que não sou uma pessoa fácil e à nós duas por termos conseguido chegar em um entendimento bom para nós duas. Numa zona de conforto.

Enfim... um excelente dia da sogra para quem é sogra. Para as noras, tenham mais paciência que o normal rs... uma hora as coisas se ajeitam. E para os genros, saibam conquistar a sogra, elas passam a gostar de vcs como um filho num piscar de olhos.



Um comentário:

Dama de Cinzas disse...

Não vi problemas com sogra até hoje, as minhas duas dos dois maridos eram ótimas para mim. A do meu primeiro marido, ficamos tão amigas que depois que houve a separação, seguimos amigas...

Beijocas