24 de fevereiro de 2011

Tudo parado....

O Rio está se tornando uma segunda cidade de São Paulo. E, se compararmos internacionalmente, as cidades de Nova Iorque, Manhatthan e Japão: trânsito totalmente parado! Esta cada vez mais insuportável sair de casa, fora os finais de semana que o trânsito desafoga um pouco. Mas, se há um evento na cidade, o caos fica maior do que nos dias úteis. É fato que no período das férias escolares o trânsito flui melhor, pois não há a grande concentração de carros, vans e micro ônibus parados nas portas das escolas, creches e afins a espera de crianças e adolescentes para deixar ou pegar. Mas, final de fevereiro até início de dezembro é um inferno novamente. Quem mora nas grandes cidades sabe exatamente quais são os horários de RUSH a que somos submetidos, onde o fluxo de veículos particulares e coletivos é maior. Geralmente nas vias expressas: Avenida Brasil, Linhas Amarela e Vermelha e nos bairros aonde há maior demanda: Barra, Jardim Botânico, Copacabana, Praça da Bandeira, Praça Seca, Bonsucesso, Ilha do Governador, Vila da Penha, Nova Iguaçu, Caxias, e muitos outros por aí. Gente, é irritante, para tudo, mesmo! Nada anda. Fecha sinal, abre sinal, aparecem os ambulantes, buzinas frenéticas tocando os mesmo tempo e nada disso faz com que o trânsito siga. Nesse calor então, insuportável. Quem depende de ônibus para trabalhar e não o tem com ar condicionado sofre nesse engarrafamento e com o calor das arábias. Fora a superlotação dos ônibus que também torna a viagem mais estressante. E, com este engata daqui, engata dali, quem sofre são os trabalhadores, estudantes e todo o tipo de gente que tem compromisso com hora marcada e tem que se programar para sair de casa às vezes 2 ou 3 horas antes do horário do seu compromisso. Quer dizer, você já se cansa e se irrita só no trânsito, o resto é apenas rebarba. E, muitas vezes este estresse é tão intenso que você acaba carregando ele o dia todo. Aí fica aquela sensação que você acordou bem ou teve um dia ótimo e pronto, ficar presa no trânsito, se atrasar para alguma coisa, querer chegar logo em casa já é motivo para tudo ir por água abaixo. Antigamente, bastava cair uma gota de água no Rio para o trânsito dar um nó. Hoje em dia, mesmo nesse longo período de seca, o nó continua e só cresce. As autoridades e a Secretaria de Transportes Urbanos, pensando numa saída para tentar melhorar as condições das vias públicas da cidade e o trânsito, criou, inicialmente, em Copacabana, uma via expressa somente para ônibus circularem. Mas, a princípio, está ajudando a aumentar o caos do bairro do que diminuir. Aumentou o numero de faixas exclusivas para ônibus, mas diminuiu as que os carros de passeio poderiam circular. E ainda restringiu que tipo de veículo poderia andar pela esquerda nos dias e horários de intensidade. Está uma polêmica! E a Secretaria ainda informou que pretende criar outros corredores ao longo da cidade. Como? É a minha pergunta!

Com o IPI reduzido e as facilidades de pagamento, nunca ficou tão fácil adquirir um carro, novo ou usado. E acredito que devido ao aumento do número de carros nas ruas o trânsito tenha se tornado insuportável. Não dá vazão a largura das ruas unido à imensa quantidade de sinais, grande número de cruzamentos. Fica inviável. Tem-se mais carros do que a estrutura da cidade comporta. E fora os péssimos motoristas, principalmente de vans e Kombis que ajudam a atrapalhar bastante o trânsito com a sua direção ofensiva e perigosa, sem dizer sem regras e limites. Eu ando de transporte alternativo quando não tem jeito. Mas não gosto não. Eles parecem uns loucos ao volante. Igualmente aos motociclistas. E unindo forças com os motoristas de ônibus mau humorados por conta do trabalho estressante que acham que podem fazer o que quiserem porque a pista é deles, pronto: para tudo!

Hoje, quando tenho que sair para trabalhar, ir pro curso ou voltar para casa me dá uma tristeza por saber o tempo que vou perder no trânsito e que poderia estar fazendo outra coisa. E olha que é tudo perto da minha casa, hein? Trajeto que poderia ser percorrido, tranquilamente em uns 20 ou 30 min. no máximo. Daqui a pouco, preparem-se motoristas: o Rio vai ser obrigado a seguir o exemplo de Sampa e denominar dias para os carros saírem as ruas de acordo com suas placas. Rodízio. Fazer o que... solução arbitrária, mas vai ser a melhor solução.


Um comentário:

Dama de Cinzas disse...

Eu trabalho na rua que moro. Foi uma conjunção de fatores que me levaram a isso. Acho mesmo que sorte pode ser o nome... ehehe...

Já trabalhei tendo que pegar dois ônibus para chegar ao trabalho, levava quase duas horas em dias normais. Hoje só posso agradecer a Deus por morar tão perto de onde trabalho. Principalmente nesse verão horroroso do Rio.

Mesmo assim, um dia desses, uma dona disse na minha cara que não queria estar no meu lugar, que ela gostava de morar longe do trabalho, porque respirava outros ares. Pois estou dispensando outros ares, prefiro o ar viciado da minha rua... ahahah

Beijocas